domingo, 14 de dezembro de 2008

"Por que competir?"- Texto para a ed.14 da revista Wake Brasil

por Teca Lobato


O cenário perfeito do brasileiro em Fortaleza em 2006.


Há controvérsias a respeito do ato de competir. Mas não vou entrar no mérito das pesquisas científicas, o que me intriga mesmo são algumas opiniões a respeito dos campeonatos.
Sempre houve muito romantismo envolvendo os free riders. Realmente, é muito bom andar simplesmente por diversão e por que você ama fazer aquilo. Alguns acreditam que eles são realmente os verdadeiros e autênticos amantes dos esportes de prancha.
Mas então por que alguns escolhem a vida e o crowd das competições?


Bebel passando de half cab no kicker de Araraquara...

Talvez para conhecer pessoas com os mesmos interesses, para acompanhar o nível dos melhores atletas do país ou do estado, para ficar pilhado com o que viu e tentar fazer igual e a mais polêmica de todas essas possibilidades... Para se tornar uma pessoa mais humilde.


Nas vezes que eu comemorei...Foto: Gus Benkes.

Tenho uma visão dos campeonatos bem particular e aberta a discussões. Acredito que acontecem situações nas competições assim como em momentos intensos da nossa vida, aqueles que precisamos agir rápido e sobre pressão. Às vezes, algumas coisas não saem como planejado e então você precisa ter jogo de cintura para encontrar uma saída inteligente. Assim como acontece quando você cai na manobra que você menos esperava, no início da passada.


50-50 na etapa do brasileiro em Guarapari-2008. Foto: Igor B8.


Algumas vezes aquele que você considera o melhor não ganha, surgem novos talentos, o vento entra bem na hora que você vai entrar na água ou você acaba ficando muito nervoso. Outras vezes você acerta tudo e mais um pouco, a raia fica lisa e até mesmo aquela manobra que você costuma errar acaba saindo.
E aí que entra a tal da humildade. Você acaba percebendo que na vida tudo é transitório e que ninguém é perfeito. Não existem pessoas imbatíveis e muitas vezes quando a emoção e o nervosismo falam mais alto as pessoas mostram como elas são realmente.
Tudo passa. Uma geração sucede a outra e o que fica são os amigos que fizemos, o aprendizado que acabamos aceitando e o tanto de risadas e momentos incomparáveis que só um campeonato é capaz de proporcionar.



confraternização no final da ladeira, na bateria do feminino. Overmeeting 2006. Foto: Clara Alonso..

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Cama elástica

Beto 540 off axis...Cama elástica...foto minha


Sargáassombracelha

Chinelo guerreiro suportou a pressão do maior perfurador de borracha/couro e similares...








sal na sombraccccccccccccccceeeeeeelha

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Nose press Vinicinho!

SEM DÚVIDA...A manobra mais horrorizante do campeonato!




Vinicinho, terceiro lugar categoria open.

Brasileiro de wake em Araraquara


A belezura do roof top, o slider do campeonato...

O Clube Náutico de Araraquara foi escolhido para sediar a última etapa do circuito brasileiro de wakeboard 2008 e a segunda etapa do circuito paulista, a Copa Nescau de wake.
Estrutura perfeita, muito sol e água lisa



O Deco foi bi campeão!


Quantia alegria!!! Ganhei o circuito!!


Ts Backroll do Daniel Damião



Mari entrou no campeonato e provou porque é a campeã das campeonas!!! Ficou em primeiro na etapa!!



A etapa contou com apoio da NESCAU, Oakley, Revista Wake Brasil, Wake na Veia e Gol Linhas Aéreas.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Session Feminina 2008 - Pista de São Caetano do Sul

Por Christie Aleixo


Dia 25 de outubro, a pista pública de skate de São Caetano do Sul foi tomada pelas meninas do skate para a Session Feminina 2008. O evento reuniu um público de cerca de 200 pessoas que puderam conferir a premiére do vídeo de skate feminino do Canadá, “Skirtboarders” (Le Film) na sala de cinema da Estação Jovem de São Caetano do Sul, com direito a pipoca antes de ingressar na sessão de vídeo.



Eliana Sosco, Flip-Fifty

Logo na sequência a pista de skate foi liberada para as mulheres que puderam usufruir de duas áreas de street, minirrampa e do snake. Um dos pontos altos da Session Feminina foi a disputa de melhor linha com inscrição gratuíta. A disputa contou com 15 participantes com o objetivo de executar a melhor sequência de manobras entre uma ida e vinda pela pista. O julgamento foi feito pelas próprias participantes que votaram nas três melhores linhas. A mais votada com 12 votos, foi Débora de Oliveira, a grande vencedora com um percurso dinâmico aproveitando todo o espaço de tempo para descer a rampa de ollie, flips, f/s fifty na borda, dentre outras manobras julgadas e valorizadas pelas demais skatistas.
A segunda mais votada foi Daniele Martins com 10 votos e Eliana Sosco finalizou com a terceira colocação com 6 votos.



Fs Grind-Dani

Mais uma vez o principal objetivo da Session Feminina foi atingido, que é reunir as mulheres do skate, das diferentes modalidades para uma confraternização. O evento reuniu meninas vindas de diversas localidades de São Paulo, além de Rio de Janeiro e Minas Gerais. O evento foi finalizado com a premiação e sorteio de brindes para o público e teve presença de várias gerações de skate feminino, como Marta Linaldi (SP), Mary Jane (RJ), Tatiane Marques (SP), Renata Paschini e Liza Araújo, além de diversos skatistas profissionais que prestigiaram o evento, como Fábio Castilho, Mario Marques, Humberto Beto, Aron Marcel, Ricardo Mikima, Robervaldo Tio, Ranier Raninho, Marcelo Alves.



Christie, fs Grind


A primeira edição da Session Feminina rolou em março de 2007 na "Praça do Alves" em São Paulo (veja notícia).

Resultado:
1º - Débora de Oliveira (12 votos)
2º - Daniela Martins (10 votos)
3º - Eliana Sosco (6 votos)




Sessão do vídeo Skirtboarders.
Realização: BOM DROP! e Skate Para Meninas
Marcas parceiras: OSIRIS - Moska - Crail
Fotos: Ivan Cruz
Apoio institucional: Estação Jovem de São Caetano do Sul e ABSFE



Yasmim, a mascote da galera...

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Surfe de lagoa na lagoa dos britânicos

Essas fotos fazem parte da matéria "Domador de ondas gigantes", da Sabrina Abreu para o Ragga Drops, fotos: Carlos Hauck, os comentários pobres são meus mesmo...



Nós somos legal!





Eu sou prega mais não to nem aí!




O Carlos Burle, coitado, surfou a menor onda da vida dele... Mais aposto que saiu feliz...




Pelejaaando pra entubar...



Depois do Daniel e Caju, foi a vez do Gustavo sair na Ragga surfando na lagoa...




Mandela...O proprietário da embarcação!



O Jorge, irmão perdido do tony alva



E o Phelps, tinha que avacalhar... Goofy do jeito que é, fez todo mundo ir pro outro lado do barco!!

Henrique Vitória: O único skatista mineiro a participar dos X GAMES

video


Resultados:
Latim X Games - 2003 , 3° lugar, Latim X games 2007 - 7° lugar. 15° lugar Xgames Los Angeles, 13 Gravity Games - Cleveland OHIO, 3° Lugar Tempo & style, Budapeste, Hungria 2006.

Patrocínios:
Etnies, Ponto do Açai, Savannah Rampas.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Estilo Cabelera de ser



Cabelo "entubando" no Alphaville...

Meu amigo de longa data, Eduardo Ponce, o "Cabelo" como é chamado pelos amigos, é responsável pela união da galera do longboard em BH da nova e velha geração. Foi quem me ensinou a dar slides, quando começei a praticar o downhill há mais ou menos sete anos atrás. Com 33 anos, sendo oito em cima do long, o cabelo quebra tudo, manda aéreo e tudo quanto é slide cabrero!




Half Cab na "prainha"

nome completo : Eduardo Ponce // Kbelo
idade: 33 anos
Religião: Evangélico
tempo de long: 8 anos de long
manobra preferida: aéreo
picos preferidos: Alphaville e Novara
som para andar: Trapt, Nirvana, Red Hot e Pillar
Ídolo: Jesus Cristo
Outros esportes: Surfo há mais de 10 anos

Sempre agilizando encontros, ele é um dos caras mais tranquilos e da paz que já conheci, garantia de muita risada no rolé...

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Segunda casa




Foto do Gustavo Paixão






Um lugar onde você pode surfar por mais de 2 minutos uma mesma onda, enquanto conversa com seus amigos ...
Minha foto... Gustavinho na prancha...

Pedrinho Life Style



Pedrinho... A miniatura da galera da lagoa!

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Skirtboarders-Le film

Devido a escassez do gênero, nada mais natural do que divulgar a peripécia skateboardistica feminina, gravada pelas ruas de Montreal no Canadá.
Este filme não tem precisão de chegada no país, naturalmente...




Mas por enquanto dá para ir se distraíndo com o trailer..
www.skirtboarders.com

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

uma tela



Eu tentando pintar o Prabhupada...

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Mari Martins! Paixão por todas as pranchas

TEXTO PARA A EDIÇÃO n. 14 DA REVISTA WAKE BRASIL DE JULHO 2008.



Trip da Mari para a Costa Rica! foto: Marito

Você já parou para pensar quem foi o primeiro maluco a mandar um invertido com uma prancha no pé, sendo puxado por um barco. E a primeira mulher? E a primeira brasileira a mandar um invertido?
Se você já anda de wake a algum tempo, vai ter essa resposta na ponta da língua: É a Mariana Martins! Isso mesmo, mas se você não a conhece, senta que vem muita história envolvendo wakeboard de qualidade.
Quatro vezes campeã Brasileira, campeã latino americana em 1999, campeã paulista categoria Open entre os marmanjos (é isso mesmo, entre os homens) e também a primeira menina a mandar uma rotação.




E ainda por cima tem a manha para entrevistar!!!! Foto: Marito


A Mari começou a andar de wake em 1998, com o irmão Eduardo em Angra dos Reis. Eles ganharam um bote, que por ser muito pequeno impossibilitava percursos muito longos, já que perto de Angra rolam várias ilhas iradas para “roletar”. Devido a essa simpática “contrariedade” do destino, ela e o irmão descobriram o wake e ficaram completamente viciados, mesmo fazendo as sessions em uma marola quase “negativa”.



Concerteza de cabeça feita ne? Foi o Marito de novo...

O vício foi tanto que ela começou a literalmente se jogar no wake, começou a competir, correu atrás de patrocínios. Na medida que o tempo passava, a Mari elevou o nível do wakeboard feminino de tal forma, que se não fosse sua participação, dificilmente a categoria feminino sairia do HS AIR. Foi a primeira menina que mesmo sem parâmetros jogou manobras que só os meninos faziam no Brasil.

Claro que tanta raça assim não vem de graça, e mesmo com todo o talento evidente, lesões não faltaram para o currículo da carioca. Pé quebrado duas vezes e joelho operado três vezes não foram suficientes para abalar a paixão da Mari pelo wake. Prova disso foi a conquista do primeiro circuito brasileiro.

Um mês antes da final do circuito em 2001, a atleta descobriu que estava com o ligamento do joelho rompido. Empatada com a segunda colocada, ela precisava de uma boa colocação para levar o título. Pressão demais para gente comum, para Mariana foi só mais uma forma de reafirmar sua convicção de que era capaz. Ela não só acertou a passada toda (incluindo um TS 540), como foi campeã brasileira.



Entrando no slider...

E isso foi só seu primeiro título brasileiro, por que depois vieram mais três. Mas isso é assunto para frente, por que antes disso, Mari trocou as praias do rio pelas represas de São Paulo, talvez para se sentir mais próxima do seu pico preferido que é Igaratá, onde podia praticar wake em uma represa limpa e lisa... E o que é melhor andar com uma galera irada e com uma marola exemplar.



Indo pro Board slide...

Em 2003 voou para as “gringa” para disputar o Mundial na Profissional, adquiriu experiência e voltou para o Brasil quebrando tudo e abocanhando alguns dos seus principais títulos. O mais recente foi em 2006, ela simplesmente foi campeão paulista. Isso mesmo campeão, por que correu o campeonato na categoria open (masculino) já que a feminino não fazia mais “cosquinha”.



Missão Board concluída!

Nas horas vagas, a Mariana faz uma trips iradas, mas sempre envolvendo alguma prancha. Snow, surfe, wake e atualmente adicionou o skate ao seu currículo de board rider. Quando esta em casa no Rio ela anda de wake e surfa sempre que pode, e quando vem para BH faz questão de encostar a rodinha do skate no cooping da mini ramp!



Saindo de 180!

Mesmo acertando as manobras cascas no wake, a Mari resolveu que quer viver mesmo praticando o free ride, sem se preocupar com as competições, viajando para as várias cidades brasileiras onde fez vários amigos e aproveitar uma session descompromissada sem a pressão dos campeonatos.

Provavelmente, uma hora dessas, a Mari deve estar aproveitando o swell que entrou no dia que ela chegou na Costa Rica... Isso mesmo, enquanto eu escrevo ela provavelmente escolhe em qual das ondas quentes e perfeitas de playa hermosa, playa grande, pavones ela vai remar...

Seja lá qual praia ela estiver, tenho uma enorme alegria de saber que existem pessoas vivendo o sonho, personificando a verdadeira razão de praticar qualquer esporte de prancha ou sem prancha, pura e simplesmente por amar fazer aquilo, sem motivações egoístas, só buscando se divertir.




Será que ela tem chulé?

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Brasileiro de wake em Brasília



Stale fish na sexta nos treinos...

Depois do quente e perfeito Lago Tarumã em Manaus, foi a vez do Paranoá na capital Brasília. A quinta etapa do circuito brasileiro de wake, rolou em um dos mais tradicionais picos para a prática desse esporte. A galera na minha opinião, é uma das mais receptivas do país, a temperatura é ideal e o público do cerradão vai em peso assistir o campeonato.



A organização da escola wakebrasília (www.wakebrasilia.com.br) foi como sempre exemplar. Vanessa e Val tiveram muito jogo de cintura e fizeram um campeonato perfeito com fruta e tudo mais para a galera.




Vanessa, a Xexa... Rider e organizadora!


Luciano Rondi Neto, o Deco, quebrou tudo como era esperado. Mandou dum-dum, tootsie, roll to blind e mandou 360 no slider. Marito fez uma passada muito consistente e ficou em segundo seguido por Miyamoto.




ET, mandando um railey despreocupado...



O batwing exemplar do Rodrigão!


Na Feminino, Camila Ortenblad, Euzinha e Gabi Rondi andamos muito bem diga-se de passagem e ficamos com o primeiro, segundo e terceiro lugar respectivamente.




Eu, Camila, Gabi...

Na Avançado e Open deu BH. Rod e Vinicinhos, amigos queridos de quem escreve mandaram muito, quebraram no slider e subiram mais alto no pódio sem contestação!




Dani quebrou tudo no Domingo e mais ainda nos treinos na sexta!!





Esteve tudo muito bom como sempre. Satisfação de reencontrar os amigos e o mais importante andar três dias seguidos de wake,de boca seca, no calor do cerradão.